Operação Big Hero - Quando Disney e Marvel se divertem juntas!

Quando a parceria entre Marvel e Disney foi anunciada, algumas dúvidas surgiram no segmento do cinema e muitas outras brotaram na parte das animações. Como seriam os futuros projetos? Veríamos personagens da Marvel com traços da Pixar? Ou então em histórias como 'Era uma vez...'? Bem, Operação Big Hero tem um pouco de tudo isso, e acredite, é uma mistura maravilhosa.
O filme é ambientado em algum momento no futuro, na fictícia cidade de San Fransokyo, uma espécie de São Francisco (com ladeiras e a ponte Golden Gate) que foi encaixada dentro de uma versão high-tech de Tokyo (roupas coloridas, robótica avançada e muita cultura japonesa). É nela que vive o jovem gênio Hiro Hamada, que passa boa parte do seu tempo ganhando dinheiro em lutas clandestinas de robôs. Tentando colocar um pouco de juízo em sua cabeça, temos a figura de Tadashi, seu irmão mais velho. Preocupado com o futuro do caçula, ele dá um jeito de fazer o irmão usar sua inteligência para algo mais útil. Assim, durante uma visita ao seu laboratório, conhecemos os outros componentes do elenco: Go Go, Honey Lemon, Wasabi, Fred e a alma do filme e candidato a fofura do ano, Baymax.


Como todo filme de origem, Operação Big Hero dedica um bom tempo construindo seus personagens e a ligação entre eles. É nesse momento que a qualidade Disney começa a aparecer. Em pouco tempo, você se sente ligado a Hiro e seu irmão, assim como passa a amar com  todas as forças o fofo Baymax. E isso é importante para que o público crie empatia com o filme e que todos sofram junto com Hiro quando uma inesperada tragédia o pega de surpresa. Desse infeliz acidente nascem as motivações dos personagens, além é claro, do vilão do filme.

Se o longa já era bonito por suas cores e vivacidade, a partir desse momento passa a ser um show de efeitos especiais. Os gadgets criados por Hiro, o visual imponente e funcional do vilão e a cereja do bolo: o robô Baymax. Os efeitos usados no personagem, como no momento em que ele seca e infla, além de sua textura e movimentos são de um qualidade nunca antes vista. Ele é também a ponte que liga todo o filme. É quem te faz sorrir quando os olhos marejam e que te faz soluçar de chorar quando um sorriso já estava pronto pra surgir.


A liberdade dada pela Marvel para que a Disney trabalhasse com os personagens é essencial. Guardada as devidas proporções, você sente como se estivesse assistindo um pouco de Guardiões da Galáxia, que pode ser considerado o filme “mais Disney da Marvel” até o momento. Tem ação sim e muita, então não se preocupe. Operação Big Hero é leve, despretensioso, divertido e ambicioso ao mesmo tempo. Aliás, isso não te lembra a melhor fase de uma tal Pixar?

O filme possui sim o clichê dos quadrinhos, mas não são nem um pouco chatos e contribuem e muito para tornar a experiência uma das mais divertidas do ano. Mesmo não sendo os mais famosos personagens entre os fãs, além de estarem desfalcados de seus membros, digamos mais famosos, o grupo presente na tela possui carisma suficiente para deixar sua marca nos baixinhos e nos mais crescidos também. Operação Big Hero segue bem o caminho aberto por Detona Ralph e Frozen e ainda contribui para as produções futuras.


Então aproveitem o clima de Natal e façam um programa em família assistindo Operação Big Hero. Seus filhos vão adorar e sua criança interior vai te agradecer depois. Ah, prepare o bolso, pois os pedidos pelo boneco do Baymax vão começar assim que você sair da sala ;)

Obs: Tem sim uma cena pós-créditos e tudo que posso dizer é que é a melhor participação de Stan Lee em todos os tempos.
Compartilhar no Google Plus

About Charles Luis Castro

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário