'A Entrevista' e a granada sem pino da sociedade

Começou aos poucos. Algumas pequenas notícias desencontradas, sem muito fundamento. De repente, os maiores segredos da Sony estavam na internet para quem quisesse ler. Era uma mina de ouro das informações, perfeito para alimentar sites e blogs e gerar boas discussões nas rodas de conversa.
Tinha filme vazado, Homem-Aranha podendo voltar pra Marvel e tudo mais. Mas esse não vai ser o assunto desse desabafo. O alvo aqui é 'A Entrevista' e como o mundo está prestes a explodir.

Ninguém estava de fato interessado nesse filme. Dois trailers engraçados, Seth Rogen e James Franco fazendo o que fazem todos os dias, algumas piadas repetidas e a velha fórmula de tirar sarro de algum ditador da moda. Pena que esse ditador não tem um senso de humor florido como sugeriam os trailers do filme. Kim Jong-un é conhecido não apenas por comandar a Coréia do Norte com punhos de ferro (no pior dos sentidos é claro), mas também por demonstrar um ódio enorme dos EUA. Algo que está em negrito nas cartilhas dos ditadores, não é mesmo?



Eis que descobrimos que foram hackers norte-coreanos, que se chamam ironicamente de 'Guardiões da Paz', que invadiram os sistemas da Sony e divulgaram as tão comentadas informações confidenciais. Até aí, "nada demais", não seria o primeiro e nem o último acontecimento do tipo. Mas tudo fica ainda mais claro, as peças se juntam e você pode gritar Eureka, quando é anunciado o cancelamento da première justamente de 'A Entrevista'.

Por que isso aconteceu? Ora, porque os "Guardiões da Paz" ameaçaram a vida de milhares de pessoas, usando até lembranças de 11 de setembro de 2001 para mandar seu simples recado: Fiquem em casa, não vejam o filme, não levem o filme para o cinema, caso contrário irão sofrer as consequências de nossa total falta de tato e inteligência, além de nossa visão limitada e opressora de como o mundo funciona.



A Sony cedeu, afinal não queria testar a seriedade das ameaças. Atitude inteligente, pois não seria justo sujar a história do cinema - não que a 'A Entrevista' fosse fazer história - com sangue de verdade, diferente do katchup usando nos sets de filmagem. Batam palmas ou falem mal da Sony, tanto faz, mas pensem comigo agora: Se a moda pega, quantos filmes, séries, quadrinhos ou algo do tipo, terão que ser cancelados porque alguém não gostou de ver seu líder supremo sendo alvo de piadas? Não que seja legal e tal, mas onde foi parar o senso de humor da humanidade? Cadê nossa capacidade de ver um filme e apenas gargalhar?

Kim Jong-un não foi o primeiro ditador a ser satirizado e nem será o último. Mas pela primeira vez isso está tomando proporções mundiais. O ditador foi a ONU acusar os EUA de estarem incentivando o terrorismo e que considerava aquilo como ato de guerra. Guerra meu amigo, por causa de um filme que nem de longe tem potencial cultural para ser significante na história. Os cinemas podem se tornar trincheira e nós os soldados indefesos que caíram de surpresa no meio de tudo.



Estou exagerando? Talvez sim. Mas o exagero é justamente o motivo de tudo isso. Ter amor a pátria é normal. bonito. Mas daí julgar sua pátria intocável é exagerado. Exagero que sejamos sinceros, não falta nas comédias americanas não é mesmo?!



Mas olhando tudo isso, penso que o mundo está a ponto de explodir. Somos granadas sem pino, arremessadas para todos os lados. Mas também somos os alvos, medrosos e desinformados. Gostaria de dizer que um sorriso resolveria tudo isso, mas não sei mais de nada, acho melhor uma enxurrada de gargalhadas. Viajando de um lado ao outro do mundo. Deixem os filmes estrearem, sejam eles de ação ou comédia, assim só sofreremos pelo alto valor do ingresso. Que é até mais barato do que a vida de um ser humano.

Compartilhar no Google Plus

About Charles Luis Castro

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário